GRUPO DE AJUDA

GLOBALSAT

VISION SAT

MAXFLY

Z + IPTV

SUPERTV

Mini PC 2U

LOGIN CS

CS Barato Claro

CS SAT BRASIL

TELECS

CS CHICO

NILTON CS

FUSION CS

100 MELHORES

CS TIAGO PIRES

ANUNCIE AQUI !!!

RECEBA ATUALIZAÇÕES POR EMAIL

RECEBA ATUALIZAÇÕES POR EMAIL:

EQUIPE / AZDIGITALTV.COM

TV paga encerra 2017 com menos 5% em sua base de assinantes - 01/02/2018

22:54:00 |

TV paga encerra 2017 com menos 5% em sua base de assinantes - 01/02/2018


De acordo com dados fornecidos pelas empresas de TV paga e divulgados nesta quinta-feira, dia 1° de fevereiro à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o ano de 2017 terminou com 17,9 milhões assinantes do serviço. Isso representa uma queda de 4,99% nos últimos doze meses, perda de 938,7 mil contratos ativos, e uma redução de 0,70% em relação a novembro de 2017, menos 125,7 mil. É o número mais baixo desde outubro de 2013 e representa uma queda de quase 2 milhões de clientes desde o apogeu do mercado, em novembro de 2014. Ou seja, a TV paga voltou ao mesmo patamar de três anos atrás.


No ano de 2017, dos grupos acompanhados pela agência reguladora, a Oi registrou aumento de 205,2 mil novos usuários (+15,73%), seguida da Sky com acréscimo de 109,6 mil (+2,09%). A prestadora Claro teve a maior redução em número de contratos ativos, menos 724,2 mil contratos (-7,39%), seguida da Vivo, com redução de 131,4 mil (-7,67%), da Algar Telecom, com menos 23,9 mil (-24,34%), e da Nossa TV com menos 2,7 mil (-2,14%).


Na comparação de dezembro de 2017 com o mês anterior, o maior crescimento foi registrado pela SKY com mais 77,3 mil contratos em operação (+1,46%), seguida pela Oi com aumento de 18,7 mil (+1,25%). A Claro apresentou a maior redução com menos 59,4 mil contratos (-0,65%), seguida da Vivo com redução de 8,9 mil (-0,56%), da Nossa TV com perda de 0,4 mil (-0,33%) e da Algar Telecom com redução de 0,2 mil (-0,32%).


Nos últimos 12 meses, os três estados com maior número de assinantes do serviço no país apresentaram redução, São Paulo queda de 447,1 mil contratos ativos (-6,21%), Rio de Janeiro redução de 97,8 mil (-3,83%) e Minas Gerais menos 38,3 mil (-2,41%). Em relação ao crescimento percentual, a liderança foi ocupada pelo Estado do Piauí com 6,4 mil novos assinantes (+7,74%), seguido por Maranhão com 6,5 mil (+3,86%) e Tocantins com 1,4 mil (+3,42%.).


A variação, contudo, pode mudar um pouco dado que é possível notar, nos dados da Anatel, a falta de alguns números de pequenas operadoras em dezembro, inclusive a Cabo Telecom, de Natal, que tinha em novembro de 2017 cerca de 52 mil clientes.


As duas únicas operadoras de TV paga que apresentaram crescimento em 2017 foram Sky e Oi TV. A Sky chegou ao final do ano com 5,358 milhões de assinantes, segundo dados da Anatel, o que representou um aumento anual de 2%, ou 109 mil clientes. A Oi TV teve um crescimento de 205 mil clientes no ano, fechando com 1,509 milhão de assinantes, um aumento de 15,7%, e praticamente empatando com a Vivo TV, que fechou o ano de 2017 com 1,582 milhão de clientes (uma queda anual de 7,8%, ou 131 mil assinantes).


Mas a operadora que de fato acabou contribuindo para a queda do mercado foi, obviamente, a maior: o grupo Claro Brasil, que compreende a Claro TV (DTH) e a Net (Cabo). Ao todo, o grupo perdeu 832,5 mil clientes de TV paga, ou 8,5%, fechando o ano com 9,072 milhões de assinantes. A maior queda foi da Claro TV, que drenou nada menos do que 654,2 mil assinantes, uma queda de 25% no ano. A Claro TV fechou o ano com 1,9 milhão de assinantes. Desde 2010 a operadora não tinha um número tão baixo de clientes. Não por acaso, no final do ano passado o grupo decidiu mudar a estratégia e criar uma unidade de negócio específica para o DTH, com um CEO (Agrício Neto, ex-Sky) se reportando diretamente ao comando do grupo. A constatação é de que o DTH precisa ser pensado e vendido de uma maneira diferente do cabo. Foram várias as razões que fizeram com que a Claro TV perdesse tantos clientes: desmonte da rede de distribuição, forte presença na classe C, dificuldades de ajuste de produtos dentro da estratégia global do grupo para TV paga entre outros.


A operação de cabo da Net, por sua vez, também perdeu base, mas em um patamar mais próximo da realidade econômica do país. A Net perdeu 178,3 mil clientes, ou 2,5%, fechando o ano com 7,17 milhões de assinantes de cabo. Em comunicado, o grupo declarou: "A Claro Brasil, que engloba as marcas NET e Claro HDTV, esclarece que a queda em sua base de clientes de TV por assinatura reflete a situação econômica vivida pelo País nos últimos dois anos. A empresa segue líder do mercado de TV por Assinatura brasileiro, com mais de 9 milhões de clientes".


A Algar fechou o ano com 74 mil assinantes, uma queda de 25%. As pequenas operadoras também tiveram uma queda expressiva, de mais de 50%, finalizando o ano com 265 mil clientes (ou 317 mil, se considerarmos o dado da Cabo Telecom de novembro). De qualquer maneira, dos assinantes de pequenas operadoras, mais da metade (cerca de 180 mil) são da Nossa TV (DTH religioso, com 125 mil) e da Cabo Telecom (52 mil), o que significa que o mercado de pequenas operadoras independentes está na casa dos 150 mil assinantes.


Os dados da Anatel ainda não estão completos. Faltas os números de junho a setembro. Mas é possível perceber, a partir dos dados de outubro, que entre junho e o quarto trimestre houve uma queda expressiva, de mais de 3% da base. No último trimestre de 2017 o ritmo de queda parece ter se estabilizado, com uma leve aceleração em dezembro. Ou seja, ainda não é possível detectar pelos números nenhuma tendência de retomada de crescimento.


A Anatel mudou a metodologia de registro das tecnologias de TV paga, de modo que agora FTTH e cabo estão sendo reportados, aparentemente, apenas sob a categoria SeAC, o que dificulta a análise.


A agência passou por sérios apuros com o sistema de TI dedicado à apuração dos dados de assinantes de TV paga, o que causou um atraso de quase 9 meses na divulgação dos números, e ainda assim há dados incompletos. Isso significa que deve haver ajustes nas próximas divulgações.

Cadê o resto dos dados?

Quando questionada pelo Minha Operadora, a agência informou que “devido aos ataques cibernéticos que a Agência sofreu (em junho de 2017), os valores presentes no sistema que controla os acessos de TV por assinatura precisam ser checados para assegurar a confiabilidade das informações”. Também informou que aguardava o reenvio das informações por parte das empresas.



Crise e pirataria


Os dois motivos que levaram à queda do mercado, segundo relatos de operadoras e programadoras, se resumem basicamente à crise econômica dos últimos anos, que drenou boa parte da capacidade de compra da classe C, onde a TV paga mais havia crescido. Outro problema é o da pirataria, especialmente no ano passado, com a chegada ao mercado das caixas IP, como HTV e similares, que distribuem ilegalmente conteúdos captados por redes criminosas. A concorrência com serviços OTT, especialmente Netflix, também ajuda na erosão de base de TV paga, mas não existem evidências numéricas de que o mercado OTT tenha substituído os serviços de TV paga na mesma proporção da queda.



FONTE : OUNIVERSODATV


CURTA E COMPATILHEM EM NOSSAS REDES SOCIAIS !!!


GOOGLE + 


FANPAGE 


TWITTER


CLIQUE AQUI

GRUPO DO FACEBOOK

CLIQUE AQUI

GRUPOR TOCOMSAT BRASIL

CLIQUE AQUI

COMUNIDADE DO GOOGLE +

CLIQUE AQUI

CADASTRE E RECEBA ATUALIZAÇÕES EM SEU EMAIL !!!:




CADASTRE E VERIFIQUE NA LIXEIRA DE SEU EMAIL !!


0 comentários:

Postar um comentário